Notícias e entretenimento nerd!

Desperte a Fascinação pelos Vilões nas Séries de TV

No universo das séries televisivas, a figura do antagonista assume um papel crucial na tessitura de narrativas envolventes e memoráveis. **Vilões marcantes** como o Governador de “The Walking Dead” ou Vecna de “Stranger Things” não apenas elevam o nível do conflito, mas também desafiam os limites da maldade humana com suas atuações inesquecíveis. Mas o que torna esses vilões tão fascinantes aos olhos do público?

Do **charme carismático** de Villanelle em “Killing Eve” à **manipulação violenta** de Homelander em “The Boys”, cada vilão traz uma complexidade que instiga e perturba. Será que a crueldade de Joffrey Baratheon em “Game of Thrones” ou a frieza calculista de Gus Fring em “Breaking Bad” são reflexos das sombras presentes em cada indivíduo? O Agente Vimos explora as atuações memoráveis que fizeram desses personagens ícones da cultura pop. Como esses vilões conseguem

Os Vilões Mais Fascinantes das Séries de TV do Século 21

  • O Governador em “The Walking Dead”: Encarna a dualidade de líder benevolente e tirano sanguinário, mostrando como o poder pode corromper.
  • Vecna em “Stranger Things”: Monstro implacável que aterroriza suas vítimas, demonstrando a capacidade do mal em sua forma mais pura.
  • Villanelle em “Killing Eve”: Assassina com um misto de charme e psicopatia, desafiando os limites entre atração e repulsa.
  • Homelander em “The Boys”: Super-herói com uma fachada heroica e um núcleo corruptível, explorando a escuridão por trás do estrelato superpoderoso.
  • Joffrey Baratheon em “Game of Thrones”: Realeza cruel e imatura, exemplificando como o poder absoluto pode levar à tirania juvenil.
  • Gus Fring em “Breaking Bad” e “Better Call Saul”: Empresário de sucesso que esconde um império criminoso, ilustrando a dupla identidade na busca pelo poder.
  • Ramsay Snow em “Game of Thrones”: Sinônimo de sadismo e brutalidade, mostrando as profundezas da maldade humana.
  • Al Swearengen em “Deadwood”: Empreendedor inescrupuloso que usa qualquer meio necessário para manter o controle, personificando a ambição sem limites.
  • Benjamin Linus em “Lost”: Personagem complexo que dança na linha entre vilania e redenção, capturando a natureza imprevisível da moralidade.

Esses vilões são apenas alguns exemplos de personagens que cativaram o público e contribuíram para o sucesso e a complexidade narrativa das séries de televisão modernas.
Os vilões nas séries de TV do século 21 despertam fascinação e deixam uma marca duradoura nos espectadores. Seja pela sua crueldade, manipulação ou carisma, esses personagens se destacam por suas atuações memoráveis e características únicas. Eles são essenciais para o sucesso das produções, pois desafiam os protagonistas e criam tensão e conflito na trama. Além disso, eles nos fazem refletir sobre a dualidade humana e a complexidade dos comportamentos. Portanto, não deixe de apreciar e analisar esses vilões, pois eles são peças-chave para o enriquecimento das séries de TV.
As atuações marcantes dos vilões nas séries de TV são inesquecíveis. Eles são personagens que nos deixam intrigados e fascinados ao mesmo tempo. Suas performances são tão poderosas que nos fazem torcer por eles, mesmo sabendo que estão do lado errado.

Os vilões são capazes de nos envolver completamente com suas tramas e manipulações. Suas atuações são cheias de intensidade e carisma

O Governador de ‘The Walking Dead’: Um Estudo de Personagem

A fascinação por vilões em séries de televisão é um fenômeno que transcende a mera oposição ao herói. Personagens como O Governador, da aclamada série “The Walking Dead”, oferecem uma janela para a complexidade humana e os extremos a que alguém pode chegar em situações de crise. A análise deste personagem revela não apenas sua importância para o enredo, mas também as nuances que capturam a atenção do público.

Carisma e Crueldade: A Dualidade do Poder

O Governador se apresenta inicialmente como um líder carismático e preocupado com o bem-estar de sua comunidade. Esta faceta aparentemente benevolente é um forte elemento de sua complexidade. No entanto, seu carisma esconde uma natureza brutal e despótica, que se manifesta em atos de crueldade chocantes. Essa dualidade entre o bem-estar coletivo e a tirania individual reflete uma tensão constante entre as necessidades da comunidade e os desejos pessoais do Governador.

A Construção de um Antagonista Memorável

A construção de um antagonista como O Governador envolve uma teia de relações e eventos que gradualmente revelam sua verdadeira índole. Seus confrontos com o protagonista Rick Grimes e outros personagens principais são marcados por uma mistura de estratégia política e violência visceral. A narrativa explora suas motivações, traumas e a luta interna entre humanidade e monstrosidade, elementos que enriquecem a trama e proporcionam uma experiência mais imersiva para o espectador.

Através de O Governador, “The Walking Dead” explora temas como a natureza do poder, a ética em tempos de crise e o custo da sobrevivência. Sua presença na série é um lembrete constante das sombras que cada ser humano carrega consigo, especialmente quando confrontado com o fim da civilização tal como conhecemos. Ao mergulhar nos abismos da psique de um vilão tão complexo, a série convida os espectadores a refletir sobre as escolhas morais em cenários extremos e sobre o eterno embate entre luz e escuridão no coração humano.As atuações IMPRESSIONANTES dos vilões nas séries de TV

Vecna em ‘Stranger Things’

A figura do antagonista nas narrativas televisivas é frequentemente revestida de uma complexidade que fascina e atrai o público. Em ‘Stranger Things’, a personificação do mal assume uma forma particularmente intrigante com a introdução de Vecna, uma entidade proveniente de um universo paralelo conhecido como o Mundo Invertido. Este ser, dotado de habilidades sobrenaturais, não apenas desafia os protagonistas com sua presença ameaçadora, mas também instiga uma análise mais profunda sobre a natureza do mal e do caos no universo ficcional da série.

Vecna emerge como uma ameaça obscura cujas motivações transcendem a mera busca pelo poder. Seu desejo de criar uma conexão permanente entre o Mundo Invertido e o mundo real revela uma aspiração pela dominação total, não apenas física, mas psicológica e existencial. A representação visual de Vecna é tão grotesca quanto suas intenções, com características distorcidas e sombrias que refletem seu interior corrompido. O confronto entre este vilão e os personagens principais da série é carregado de tensão e simbolismo, pois eles se veem forçados a enfrentar não só um inimigo externo, mas também seus próprios medos e inseguranças.

  Desvende os Incríveis PODERES da Wanda Maximoff!

Confronto e Estratégia

O embate entre os habitantes de Hawkins e Vecna é um espetáculo de estratégias e alianças improváveis. Os protagonistas, armados com suas habilidades especiais e um espírito inquebrantável, buscam formas de deter a influência corruptora de Vecna. A série explora as dinâmicas de poder e resistência através das lentes do horror e suspense, proporcionando aos espectadores uma jornada emocionante pelo desconhecido. Cada tentativa de combate à entidade sombria é meticulosamente planejada, revelando tanto a astúcia dos heróis quanto a profundidade da malevolência que enfrentam.

A representação de Vecna em ‘Stranger Things’ não se limita a atos de violência ou demonstrações de poder; ela engloba uma batalha psicológica onde a manipulação mental e o controle são armas tão letais quanto qualquer força física. A série convida o público a mergulhar em um mundo onde o terror se entrelaça com a psique humana, tornando Vecna não apenas um vilão a ser derrotado, mas um enigma a ser desvendado. Através dessa complexidade narrativa, ‘Stranger Things’ reafirma o fascínio que os vilões exercem sobre a audiência, elevando-os a mais do que meros obstáculos; eles são peças-chave na tapeçaria que compõe o tecido da história.As atuações impressionantes dos vilões nas séries de TV

Villanelle em ‘Killing Eve’: A Personificação da Ambiguidade Moral

As séries de televisão contemporâneas têm apresentado uma tendência intrigante: a fascinação por personagens que desafiam as noções tradicionais de moralidade. Villanelle, a assassina psicopata de “Killing Eve”, é um exemplo emblemático dessa tendência, capturando a atenção do público com sua complexidade psicológica e carisma enigmático.

A perplexidade inerente à Villanelle reside na sua habilidade de oscilar entre uma brutalidade fria e uma inocência quase infantil. As camadas de sua personalidade são reveladas gradualmente, criando uma tensão narrativa que mantém os espectadores à beira do assento. A dualidade de sua natureza, ao mesmo tempo encantadora e maníaca, desafia as expectativas e subverte o arquétipo clássico do vilão unidimensional.

A explosividade das interações entre Villanelle e a agente Eve Polastri é outro componente que enriquece a trama. A relação obsessiva mútua entre as duas protagonistas é marcada por um jogo psicológico complexo, repleto de reviravoltas inesperadas. Cada confronto entre elas é carregado de uma intensidade que varia dramaticamente, refletindo a imprevisibilidade das emoções humanas.

A Construção de um Ícone Televisivo

Villanelle não é apenas uma assassina; ela é uma artista da morte, cuja execução de seus crimes é permeada por um estilo peculiar e uma assinatura teatral. Esses elementos conferem uma dimensão estética à sua violência, o que paradoxalmente atrai e repulsa a audiência. Sua excepcional habilidade para matar é contrastada com momentos de vulnerabilidade e desejo por conexões humanas genuínas, o que a torna uma figura tragicamente fascinante.

O impacto cultural de Villanelle pode ser medido pelo reconhecimento crítico e pela adoração dos fãs. Sua presença em “Killing Eve” redefine o papel dos antagonistas nas narrativas televisivas, mostrando que personagens vilanescos podem ser tão complexos e cativantes quanto os heróis. A habilidade da série em explorar os recônditos mais sombrios da psique humana, enquanto mantém um senso de humor perverso, é um testemunho do brilhantismo com que Villanelle foi concebida.

Ao considerar a construção desta personagem icônica, percebe-se que Villanelle exemplifica como o fascínio pelos vilões pode ser despertado através de uma combinação de profundidade psicológica, ambiguidade moral e uma narrativa vibrante que se recusa a aderir aos clichês. Em última análise, ela representa um novo tipo de vilania na televisão – uma que seduz e perturba em igual medida, deixando uma marca indelével na cultura pop contemporânea.As atuações marcantes dos vilões nas séries de TV são inesquecíveis. Esses personagens são capazes de cativar o público com sua maldade e habilidades de interpretação. Suas performances são tão convincentes que muitas vezes nos pegamos torcendo por eles, mesmo sabendo que são os antagonistas da história.

Esses vilões têm a capacidade de nos fazer sentir medo, raiva e até mesmo empat

Homelander em ‘The Boys’: A Complexidade do Antagonismo na Cultura Pop

A figura do vilão sempre exerceu um fascínio peculiar sobre o público, e em ‘The Boys’, série que subverte o gênero de super-heróis, esse fascínio é personificado na forma de Homelander. Este personagem, longe de ser um mero antagonista unidimensional, é uma representação complexa das sombras que habitam a alma humana, mesmo quando adornadas com o manto da heroísmo.

A dualidade de Homelander é um reflexo da sociedade contemporânea, onde figuras públicas muitas vezes escondem suas verdadeiras intenções sob uma fachada de benevolência. O personagem desafia a percepção tradicional do herói ao exibir características que são tipicamente associadas aos vilões, como a megalomania e a falta de empatia, enquanto mantém uma imagem pública imaculada.

A série explora a psique de Homelander com uma explosividade narrativa que oscila entre momentos de aparente vulnerabilidade e explosões de violência impiedosa. Essa volatilidade é essencial para compreender o caráter multifacetado do personagem e a sua capacidade de atrair e repelir o espectador simultaneamente.

A Influência dos Super-Heróis na Cultura Pop

Os super-heróis têm sido parte integrante da cultura pop por décadas, mas ‘The Boys’ revoluciona esse paradigma ao questionar o que acontece quando os detentores de poder supremo se desviam do caminho da retidão. Homelander serve como um espelho distorcido dessa questão, forçando os espectadores a refletir sobre a natureza do poder e da responsabilidade.

O Impacto de Homelander no Panorama Televisivo

A presença de Homelander em ‘The Boys’ redefiniu as expectativas do público em relação aos personagens vilanescos nas séries de TV. A perplexidade gerada por suas ações e motivações confere à série uma profundidade raramente vista em produções do mesmo gênero, estabelecendo novos padrões para a construção de personagens antagônicos na televisão.

Em suma, Homelander não é apenas um vilão; ele é um estudo de caráter que desafia os limites entre o bem e o mal. Sua presença na série ‘The Boys’ convida os espectadores a mergulhar nas complexidades morais que definem tanto os heróis quanto os vilões, despertando uma fascinação que transcende o maniqueísmo tradicional das narrativas de super-heróis.

Os vilões das séries de TV têm o poder de nos cativar com suas personalidades complexas e motivações intrigantes. Eles são a chave para histórias envolventes e muitas vezes roubam a cena. Para explorar mais sobre esses personagens fascinantes, confira a IMDb, onde você pode encontrar listas dos vilões mais icônicos e suas séries correspondentes. Mergulhe no universo dessas figuras carismáticas que, apesar de suas ações questionáveis, despertam nossa admiração e curiosidade.

  Desvende os Segredos dos Personagens Curiosos dos Nerds

1. Por que os vilões nas séries de TV despertam tanta fascinação?

R: Os vilões nas séries de TV despertam fascinação porque eles são personagens complexos e cativantes, capazes de nos envolver emocionalmente com suas tramas e manipulações. Suas atuações marcantes e habilidades de interpretação nos fazem torcer por eles, mesmo sabendo que estão do lado errado.

2. Qual é a importância dos vilões para o enredo das séries de TV?

R: Os vilões desempenham um papel fundamental no enredo das séries de TV, pois são eles que criam os conflitos e desafios que os protagonistas precisam enfrentar. Eles fornecem uma tensão narrativa que impulsiona a história adiante e mantém o interesse do público.

3. Como os vilões são construídos nas séries de TV?

R: Os vilões são construídos nas séries de TV através de uma cuidadosa construção de personagem. Os roteiristas desenvolvem suas motivações, traumas e personalidades complexas, tornando-os mais do que meros obstáculos para os heróis. Através de diálogos, ações e interações com outros personagens, os vilões ganham vida e se tornam elementos-chave na trama.

4. O que torna um vilão memorável nas séries de TV?

R: Um vilão memorável nas séries de TV é aquele que vai além do estereótipo unidimensional do mal. Ele possui camadas e nuances em sua personalidade, o que o torna mais humano e interessante para o público. Além disso, um vilão memorável é capaz de cativar o espectador com suas atuações convincentes e habilidades de interpretação.

5. Quais são os elementos que despertam fascinação nos vilões das séries de TV?

R: Os elementos que despertam fascinação nos vilões das séries de TV incluem sua maldade intrigante, habilidades de interpretação impressionantes e a capacidade de nos fazer sentir medo, raiva e até mesmo empatia por eles. Sua complexidade psicológica e carisma enigmático também contribuem para o fascínio que exercem sobre o público.

6. Como os vilões desafiam as noções tradicionais de moralidade nas séries de TV?

R: Os vilões desafiam as noções tradicionais de moralidade nas séries de TV ao apresentarem características que normalmente associamos aos heróis, como carisma e preocupação com o bem-estar coletivo, ao mesmo tempo em que exibem comportamentos cruéis e tirânicos. Essa dualidade moral desconcerta o público e nos faz questionar nossas próprias concepções de certo e errado.

7. Qual é o impacto cultural dos vilões nas séries de TV?

R: O impacto cultural dos vilões nas séries de TV é significativo, pois eles se tornam ícones populares que transcendem as telas. Suas atuações marcantes e complexidades psicológicas geram debates entre os fãs e influenciam a forma como vemos a maldade e a moralidade na sociedade.

8. Como os vilões contribuem para a imersão do público nas séries de TV?

R: Os vilões contribuem para a imersão do público nas séries de TV ao fornecerem um elemento emocionalmente envolvente para a narrativa. Eles criam tensão e suspense, mantendo o interesse do espectador ao longo da história. Além disso, as atuações convincentes dos vilões nos fazem sentir uma conexão emocional com seus personagens, mesmo quando estamos torcendo contra eles.

9. Por que tendemos a torcer pelos vilões em algumas situações nas séries de TV?

R: Tendemos a torcer pelos vilões em algumas situações nas séries de TV porque eles muitas vezes possuem características cativantes, como carisma, inteligência ou habilidades sobre-humanas. Além disso, os roteiristas muitas vezes exploram as motivações dos vilões, mostrando seus traumas ou injustiças sofridas, o que pode gerar empatia por esses personagens.

10. Como os vilões representam uma reflexão da natureza humana nas séries de TV?

R: Os vilões representam uma reflexão da natureza humana nas séries de TV ao explorarem as sombras que cada ser humano carrega consigo. Eles nos fazem questionar as escolhas morais em situações extremas e nos confrontam com a dualidade entre luz e escuridão que existe no coração humano.

11. Quais são os temas abordados pelos vilões nas séries de TV?

R: Os temas abordados pelos vilões nas séries de TV podem variar amplamente, mas alguns exemplos incluem a natureza do poder, a ética em tempos de crise, o custo da sobrevivência e as consequências das escolhas morais. Os vilões são frequentemente utilizados para explorar questões profundas sobre a condição humana.

12. Como os vilões desafiam as convenções narrativas tradicionais nas séries de TV?

R: Os vilões desafiam as convenções narrativas tradicionais nas séries de TV ao subverterem expectativas e estereótipos comuns. Eles podem ter motivações complexas e imprevisíveis, ou até mesmo se tornarem personagens redimíveis ao longo da história. Essa subversão das convenções narrativas mantém o público engajado e surpreso.

13. Qual é o papel dos antagonistas na construção da tensão dramática nas séries de TV?

R: O papel dos antagonistas na construção da tensão dramática nas séries de TV é fundamental. Eles criam obstáculos e desafios para os protagonistas, gerando conflitos emocionais e físicos que impulsionam a narrativa adiante. A presença dos antagonistas aumenta a intensidade das cenas e mantém o público envolvido na história.

  Transformados: Personagens de Séries de TV que se Tornaram Ícones Nerd

14. Por que os vilões são tão importantes para o desenvolvimento dos personagens principais nas séries de TV?

R: Os vilões são importantes para o desenvolvimento dos personagens principais nas séries de TV porque eles fornecem um contraste necessário para mostrar o crescimento e evolução dos heróis ao longo da história. As interações entre heróis e vilões geram conflitos internos nos personagens principais, levando-os a tomar decisões difíceis e descobrir suas verdadeiras forças.

15. Como os vilões contribuem para a qualidade geral das séries de TV?

R: Os vilões contribuem para a qualidade geral das séries de TV ao adicionar camadas complexas à trama e aos personagens. Eles criam tensão narrativa, proporcionam momentos emocionantes e desafiam as expectativas do público. A presença dos vilões eleva o nível da série, tornando-a mais envolvente e memorável para os espectadores.

  • O Governador de ‘The Walking Dead’: Um Estudo de Personagem
  • Vecna em ‘Stranger Things’
  • Villanelle em ‘Killing Eve’: A Personificação da Ambiguidade Moral
  • Homelander em ‘The Boys’: A Complexidade do Antagonismo na Cultura Pop

Vilão Série
O Governador The Walking Dead
Vecna Stranger Things
Villanelle Killing Eve
Homelander The Boys

Glossário: Desperte a Fascinação pelos Vilões nas Séries de TV

– Vilão: Personagem antagonista que se opõe ao protagonista e desempenha um papel importante na trama da série de TV.
– Carisma: Atração magnética e cativante que um personagem exerce sobre o público.
– Crueldade: Ato de ser impiedoso, malévolo e causar sofrimento aos outros.
– Dualidade: Existência de dois aspectos opostos em um mesmo personagem ou situação.
– Complexidade: Característica de um personagem que apresenta várias camadas e nuances em sua personalidade e motivações.
– Enredo: Sequência de eventos que compõem a história de uma série de TV.
– Antagonista: Personagem que se opõe ao protagonista e cria conflitos na trama.
– Estratégia: Plano ou tática utilizada por um personagem para alcançar seus objetivos.
– Violência visceral: Representação gráfica e impactante de atos violentos.
– Motivações: Razões ou objetivos que impulsionam as ações de um personagem.
– Traumas: Experiências dolorosas do passado que afetam o comportamento e emoções de um personagem.
– Humanidade: Qualidades, características e aspectos emocionais que tornam uma pessoa humana.
– Monstrosidade: Ausência ou negação dos aspectos humanos em um personagem, tornando-o cruel e desumano.
– Ética: Conjunto de princípios morais que regem as ações e escolhas dos personagens.
– Sobrevivência: Ato ou processo de continuar existindo ou permanecer vivo em situações adversas.
– Ambiguidade moral: Situação em que não há uma clara distinção entre o certo e o errado, gerando dilemas éticos.
– Psicopata: Pessoa com transtorno de personalidade caracterizado por falta de empatia, manipulação e comportamento antissocial.
– Reviravoltas inesperadas: Mudanças surpreendentes na trama que alteram o rumo da história.
– Estilo peculiar: Características únicas e distintivas do comportamento, aparência ou forma de agir de um personagem.
– Assinatura teatral: Elementos distintivos e reconhecíveis que marcam a presença de um personagem em suas ações ou crimes.
– Vulnerabilidade: Estado emocional ou físico em que um personagem se encontra exposto ou suscetível a danos.
– Conexões humanas genuínas: Relacionamentos baseados em sinceridade, empatia e autenticidade entre os personagens.
– Iconicidade: Qualidade de ser icônico, ou seja, altamente reconhecível e simbolicamente significativo.
– Subversão: Ato de desafiar ou romper com as expectativas tradicionais, subvertendo convenções estabelecidas.
– Explosividade narrativa: Intensidade emocional e dramática presente na narrativa da série de TV.
– Volatilidade: Característica de ser instável, imprevisível ou sujeito a mudanças abruptas de humor ou comportamento.

Impacto dos Vilões na Construção Narrativa das Séries


A presença de um vilão carismático e bem desenvolvido é, sem dúvida, um dos elementos mais cruciais na construção de uma narrativa envolvente em séries de televisão. Além de atuações marcantes, os antagonistas são responsáveis por criar conflitos que impulsionam a trama e desafiam os protagonistas a superarem seus limites. É importante destacar que a complexidade psicológica e as motivações profundas dos vilões podem enriquecer a história, proporcionando uma camada adicional de tensão dramática e moral. A habilidade do roteirista em tecer essas nuances é fundamental para evitar personagens unidimensionais, garantindo assim uma experiência televisiva mais imersiva e reflexiva para o espectador.

A Influência dos Vilões no Desenvolvimento de Personagens Principais


Os vilões não apenas contribuem para o avanço da trama, mas também desempenham um papel vital no desenvolvimento dos personagens principais. Através da interação com antagonistas complexos e desafiadores, os heróis são frequentemente forçados a confrontar seus próprios valores e crenças, levando a um crescimento significativo ou até mesmo a mudanças radicais em suas personalidades e objetivos. Este aspecto de confrontação é essencial para criar uma dinâmica interessante entre os personagens e oferecer ao público momentos de grande intensidade emocional. Portanto, a influência dos vilões estende-se além do simples papel de adversário, tornando-se um catalisador para a evolução e aprofundamento dos protagonistas dentro do universo ficcional apresentado.

Fontes

*Academia.edu.* HERÓIS SEM CAPA, VILÕES SEM MÁSCARA: O DISCURSO DE ÓDIO REPRESENTADO NA SÉRIE SUPERGIRL. Disponível em: https://www.academia.edu/44764084/HER%C3%93IS_SEM_CAPA_VIL%C3%95ES_SEM_M%C3%81SCARA_O_DISCURSO_DE_%C3%93DIO_REPRESENTADO_NA_S%C3%89RIE_SUPERGIRL. Acesso em: data de acesso.

*Academia.edu.* “MULHERES DIFÍCEIS”: A anti-heroína na ficção seriada televisiva americana. Disponível em: https://www.academia.edu/35381613/_MULHERES_DIF%C3%8DCEIS_A_anti_hero%C3%ADna_na_fic%C3%A7%C3%A3o_seriada_televisiva_americana. Acesso em: data de acesso.

*Academia.edu.* Monografia: Seriados Ficcionais na Televisão Norte-Americana (1950-2008): Uma Breve História. Disponível em: https://www.academia.edu/37205786/Monografia_Seriados_Ficcionais_na_Televis%C3%A3o_Norte_Americana_1950_2008_Uma_Breve_Hist%C3%B3ria. Acesso em: data de acesso.

*Academia.edu.* Personagens em Roteiros de Cinema: um estudo dos antagonistas da trilogia Batman de Christopher Nolan. Disponível em: https://www.academia.edu/50902624/Personagens_em_Roteiros_de_Cinema_um_estudo_dos_antagonistas_da_trilogia_Batman_de_Christopher_Nolan. Acesso em: data de acesso.

*Academia.edu.* A jornada do anti-herói: uma análise da complexidade narrativa em Breaking Bad. Disponível em: https://www.academia.edu/38263403/A_jornada_do_anti_her%C3%B3i_uma_an%C3%A1lise_da_complexidade_narrativa_em_Breaking_Bad. Acesso em: data de acesso.

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.