Notícias e entretenimento nerd!

Psicólogo revela o verdadeiro motivo pelo qual Tony Soprano é o Anti-Herói Supremo!

0

Um renomado psiquiatra explica por que Tony Soprano é o arquétipo definitivo de um anti-herói

Um renomado psiquiatra explicou recentemente por que Tony Soprano é o arquétipo definitivo de um anti-herói. A série, que foi ao ar pela HBO em 1999, gira em torno do personagem de James Gandolfini, um membro da máfia e chefe da família criminosa DiMeo. No início da série, Tony busca terapia com a Dra. Jennifer Melfi (Lorraine Bracco) e essas sessões revelam muito sobre sua vida pessoal. Ao longo das seis temporadas, The Sopranos recebeu elogios tanto da crítica quanto do público, com a atuação de Gandolfini estabelecendo Tony como um protagonista memorável na televisão.

Em um vídeo recente para a revista GQ, o Dr. Eric Bender explica o que torna Tony Soprano um anti-herói. O psiquiatra discute as cenas de terapia e observa que o personagem de Gandolfini passou por eventos traumáticos em sua vida. Bender acrescenta que o público torce por Tony porque ainda consegue se identificar com ele de alguma maneira, principalmente através de suas interações com outras pessoas, incluindo sua família.

Segundo Bender, uma das primeiras vezes em que vemos uma representação realista da terapia na televisão ocorre em The Sopranos. Ficamos frustrados junto com Tony ao ouvi-lo dizer: ‘Terapia é perda de tempo’, enquanto sua terapeuta retruca: ‘Na verdade, não é’. Essa troca de palavras reflete uma experiência comum entre pacientes reais, expressando frustração com a duração e propósito da terapia, além de lidar com suas emoções. Ao analisarmos os transtornos de personalidade, devemos considerar se as interações de alguém com o mundo ao seu redor diferem significativamente da norma cultural. Tony está imerso na cultura da máfia, onde esperamos que as pessoas sejam violentas e façam o que for necessário para obter o que querem. Nesse sentido, ele se comporta muito bem nessa cultura específica, mas quando é retirado dela e colocado na cultura em geral ou na sua família, ele não consegue se adaptar. Isso pode ser atribuído a diferentes motivos: crescendo em uma família mafiosa presenciar violência extrema por parte do pai ou confrontos constantes com sua mãe, que provavelmente possuía traços de transtorno de personalidade narcisista.

Existem eventos chamados Adverse Childhood Experience (Experiências Adversas na Infância), ou ACES, que são eventos traumáticos frequentes na vida de uma criança. Tony vivenciou inúmeros ACES, como podemos perceber ao avaliar sua vida. Ele é um anti-herói porque, assim como nós, ele tenta construir uma família e passar por um cotidiano repleto de desafios que estão além do seu controle, como a depressão do filho. Sentimos empatia por seus esforços e torcemos por ele. Tony revela seus sentimentos à sua maneira característica ao dizer que tem o mundo nas mãos, mas ainda se sente um perdedor. Ele não sabe como se conectar emocionalmente com as pessoas próximas a ele – seu modo de ser pai está longe do ideal. As crianças não vêm com manual de instruções, e para Tony, buscar ajuda seria admitir que está fazendo algo errado, é se sentir inadequado, e ele não tolera esse sentimento.

Foi revelado que Tony começou a terapia depois de sofrer um ataque de pânico, e apesar de alguma hesitação inicial ao conhecer a Dra. Melfi, em que ele admitiu estar deprimido, ele continuou com as sessões. Conforme The Sopranos avança, as visitas de Tony à Dra. Melfi se tornam uma parte importante da história, com ela aprendendo mais sobre sua vida e o nível de estresse que ele enfrenta. Embora tenha havido indícios de um possível romance entre eles, incluindo um beijo e sonhos recorrentes do protagonista no início da série, eles conseguiram manter uma relação estritamente profissional, embora Tony tenha ameaçado a terapeuta quando ela fal.

  Jeremy Sisto lidera equipe do FBI em crossover épico em Roma
Resumo da Notícia
Um renomado psiquiatra explicou recentemente por que Tony Soprano é o arquétipo definitivo de um anti-herói. A série, que foi ao ar pela HBO em 1999, gira em torno do personagem de James Gandolfini, um membro da máfia e chefe da família criminosa DiMeo. Ao longo das seis temporadas, The Sopranos recebeu elogios tanto da crítica quanto do público, com a atuação de Gandolfini estabelecendo Tony como um protagonista memorável na televisão.
Análise do Psiquiatra
O Dr. Eric Bender explica o que torna Tony Soprano um anti-herói. Ele observa que o personagem passou por eventos traumáticos em sua vida e que o público torce por ele porque ainda consegue se identificar com suas interações com outras pessoas, incluindo sua família. Segundo Bender, The Sopranos apresenta uma representação realista da terapia, mostrando a frustração e a resistência inicial de Tony em relação à terapia.
Experiências Adversas na Infância
Tony vivenciou inúmeros eventos traumáticos em sua infância, conhecidos como ACES. Essas experiências contribuem para sua personalidade e dificuldades em se conectar emocionalmente com as pessoas ao seu redor. Ele é um anti-herói porque tenta construir uma família e enfrenta desafios que estão além de seu controle, despertando empatia e torcida do público.
Terapia de Tony Soprano
Tony começou a terapia após sofrer um ataque de pânico. Suas visitas à Dra. Melfi se tornam uma parte importante da história, com ela aprendendo mais sobre sua vida e o nível de estresse que ele enfrenta. Apesar de indícios de um possível romance entre eles, eles mantêm uma relação estritamente profissional.

Com informações do SCREENRANT.

Leave A Reply

Your email address will not be published.