Notícias e entretenimento nerd!

Descubra Surpreendentes Reencenações de Clássicos Literários na TV!

No universo das séries de TV, o inesperado se torna realidade quando clássicos imortais da literatura se reinventam em tramas contemporâneas. Em meio a uma era de produções audiovisuais prolíficas, **como imaginar “Dom Casmurro”** de Machado de Assis transposto para o ambiente universitário do século XXI, ou **”1984″** de George Orwell recriado como uma distopia futurista que reflete a vigilância exacerbada e o controle tecnológico?

O Agente Vimos investiga essas reinvenções audazes, que desafiam o tempo e recontextualizam obras-primas literárias. Mas conseguirão essas **adaptações modernas** manter a essência das narrativas originais? E mais importante, que novas reflexões elas trarão ao público habituado à velocidade e ao impacto visual da era digital? Explore conosco as possibilidades que se desdobram quando a literatura clássica brasileira encontra a tela da TV.

Descubra Surpreendentes Reencenações de Clássicos Literários na TV!

  • Dom Casmurro em versão moderna: A trama de Machado de Assis é reimaginada com Capitu e Bentinho enfrentando dilemas de traição e ciúme na era universitária contemporânea.
  • 1984 transformado em distopia futurista: Os conceitos de vigilância e controle totalitário de Orwell são adaptados para refletir os desafios e impactos das novas tecnologias em uma sociedade futura.
  • Grande Sertão: Veredas ganha vida em animação: A narrativa épica de Guimarães Rosa é convertida em série animada, destacando as aventuras do jagunço Riobaldo pelo sertão com visuais detalhados.
  • O Cortiço como drama adolescente: A dinâmica complexa do cortiço de Aluísio Azevedo é explorada através das vidas dos jovens moradores, abordando questões sociais e emocionais relevantes.
  • Memórias Póstumas de Brás Cubas em tom de comédia romântica: Machado de Assis inspira uma série humorística onde o protagonista, um defunto autor, relata suas aventuras amorosas pós-morte.
  • O Alienista recriado como suspense psicológico: A obsessão pela sanidade mental do Dr. Simão Bacamarte é dissecada em uma série que questiona ética e loucura.
  • A Hora da Estrela repaginada em ficção científica: Clarice Lispector inspira a criação de uma Macabéa ciborgue, em busca de identidade e propósito num futuro remoto.
  • Macunaíma adaptado para musical contemporâneo: As aventuras do herói sem nenhum caráter são contadas através de música e dança, refletindo a riqueza cultural brasileira.

Estas reinterpretações inovadoras oferecem uma nova perspectiva sobre os clássicos da literatura brasileira, ao mesmo tempo que tratam de temas atuais e fornecem narrativas fascinantes para o formato televisivo.
Descubra Surpreendentes Reencenações de Clássicos Literários na TV!

As reencenações de clássicos da literatura em séries de TV têm se tornado uma tendência cada vez mais presente. Adaptar obras consagradas para o formato televisivo é uma forma de trazer novas perspectivas aos enredos e personagens que tanto amamos. Imagine, por exemplo, uma versão moderna de “Dom Casmurro”, em que Capitu e Bentinho são estudantes universitários lidando com questões de traição e ciúme em pleno século XXI. Ou ainda uma releitura distópica de “1984”, transportando os temas de vigilância e controle para uma sociedade futurista. Essas adaptações inusitadas trazem uma nova vida aos clássicos da literatura, proporcionando narrativas cativantes e explorando temas atuais. Não deixe de conferir essas surpreendentes reencenações na sua próxima maratona televisiva!
Reencenações de clássicos da literatura que você nunca esperaria ver em séries de TV

Dom Casmurro: Traição e ciúme universitários

A literatura clássica brasileira tem encontrado espaço nas telas, especialmente com a adaptação de obras imortais como “Dom Casmurro”, de Machado de Assis. Esta obra, que explora as profundezas do ciúme e da traição no contexto universitário, tem sido reimaginada em produções televisivas, oferecendo uma nova perspectiva sobre temas atemporais.

A complexidade das relações humanas, tão magistralmente capturada por Machado de Assis, é retrabalhada para dialogar com o público contemporâneo. Ao transpor o enredo para um cenário acadêmico moderno, as produções televisivas amplificam a relevância dos sentimentos de Bento Santiago, o protagonista que se debate entre o amor e o ciúme.

O personagem central, frequentemente comparado ao mítico Otelo de Shakespeare, é representado na TV como um estudante universitário cujo ciúme obsessivo por sua parceira Capitu desencadeia uma série de eventos dramáticos. A habilidade com que as adaptações incorporam referências shakespearianas evidencia a universalidade do ciúme e suas consequências devastadoras.

O Ciúme como Protagonista

Nas reinterpretações televisivas, o ciúme é quase um personagem à parte, um elemento narrativo que conduz a trama e determina as ações dos personagens. A psicologia intricada de Bento Santiago é explorada com nuances que permitem ao espectador compreender a progressão do seu estado mental, desde a dúvida inicial até o ciúme delirante que eventualmente o consome.

Os roteiristas dessas adaptações têm o desafio de manter a essência da obra original enquanto inserem elementos contemporâneos. Isso é feito através de diálogos cuidadosamente construídos e cenas que refletem a tensão crescente entre os personagens. A traição, seja real ou imaginária, é apresentada com uma complexidade emocional que ressoa com as audiências modernas.

Personagens Redefinidos

A redefinição dos personagens em um contexto universitário permite uma abordagem mais próxima da realidade do público jovem. As interações sociais e acadêmicas tornam-se pano de fundo para a teia de suspeitas e intrigas que se formam ao redor de Bento e Capitu. As referências diretas a “Otelo” são mantidas, mas reinterpretadas para refletir as dinâmicas atuais de relacionamento e poder.

Assim, as produções televisivas não apenas homenageiam “Dom Casmurro”, mas também contribuem para uma discussão mais ampla sobre temas como confiança, lealdade e os perigos do ciúme infundado. Ao mesmo tempo, elas demonstram a capacidade adaptativa da literatura clássica em contextos modernos e diversificados.Recriações de clássicos da literatura que você nunca esperaria ver em séries de TV

1984 distópico: Vigilância e controle no futuro

Na tessitura de narrativas que exploram a vigilância e o controle estatal, poucas obras se aproximam do impacto profundo e da complexidade encontradas em adaptações televisivas do clássico “1984”. A trama, imersa em uma sociedade futurista onde a liberdade individual é esmagada sob o peso de um regime totalitário onisciente, ressoa com inquietante familiaridade na era digital contemporânea. As reinterpretações para a tela pequena buscam não apenas recriar o universo concebido por Orwell, mas também expandir sua visão, incorporando elementos modernos que dialogam com as novas formas de vigilância e manipulação da informação.

  Por que a série de TV na floresta é a abundância de emoção que você precisa?

A transposição deste universo para a televisão implica na necessidade de uma linguagem visual que intensifique a sensação de claustrofobia e paranoia, características essenciais do ambiente opressivo de “1984”. A direção artística das adaptações muitas vezes opta por cenários que alternam entre o austero e o tecnologicamente avançado, simbolizando a dicotomia entre a pobreza material da população e a riqueza tecnológica ao serviço do poder. A escolha dos atores, por sua vez, é crucial para transmitir a complexidade emocional dos personagens que vivem sob constante escrutínio, onde um simples gesto ou olhar pode significar dissidência.

Por fim, as adaptações televisivas de “1984” enfrentam o desafio de traduzir a perplexidade e explosividade do texto original para um formato audiovisual. Isto é feito através da alternância entre sequências narrativas densas e momentos de intensa acção ou revelações chocantes. O ritmo da edição e a construção do enredo são pensados para manter o espectador em um estado constante de tensão e incerteza, refletindo a imprevisibilidade da vida sob um regime autoritário. Este equilíbrio entre fidelidade à obra e inovação narrativa é o que torna as reencenações televisivas de “1984” um espelho perturbador dos temores e dilemas enfrentados na sociedade atual.Recriações de clássicos da literatura que você nunca imaginaria ver em séries de TV

Grande Sertão: Veredas animado: Aventuras pelo sertão

A literatura clássica brasileira, com sua rica tapeçaria de personagens e narrativas, tem encontrado novos caminhos para alcançar o público contemporâneo. Uma das mais notáveis reencenações dessa natureza é a adaptação em quadrinhos de “Grande Sertão: Veredas”, obra-prima do escritor João Guimarães Rosa. Esta versão revitalizada não apenas preserva a essência da narrativa original, mas também a expande, oferecendo uma experiência visual e textual inédita.

A complexidade da obra de Guimarães Rosa é conhecida por desafiar os leitores com sua linguagem intricada e estruturas narrativas inovadoras. A adaptação para quadrinhos, contudo, não se esquiva dessas características; pelo contrário, ela as abraça, transformando a perplexidade do texto em uma força visual. O roteirista Eloar Guazzelli, agraciado com o prêmio HQ Mix, soube capturar a densidade da prosa rosiana, enquanto o ilustrador Rodrigo Rosa imprimiu nas páginas o vigor e a aspereza do sertão mineiro.

A explosividade da narrativa se revela na alternância entre momentos de profunda introspecção e cenas de ação arrebatadoras. Os personagens Riobaldo e Diadorim ressurgem nas páginas ilustradas com uma intensidade que honra suas contrapartes literárias. Amor e violência se entrelaçam em um balé que é tão brasileiro quanto universal, refletindo temas atemporais que continuam a ressoar com leitores de todas as gerações.

As ilustrações detalhadas são um convite para que os olhos se percam nos meandros do sertão, assim como as palavras de Rosa convidam a mente a se perder em reflexões sobre a condição humana. A habilidade de Rodrigo Rosa em recriar visualmente os caminhos trilhados pela obra clássica confere à adaptação uma explosividade que complementa a complexidade textual com uma riqueza imagética.

O reconhecimento internacional da adaptação em quadrinhos e o prêmio HQ Mix conquistado são testemunhos da capacidade da arte sequencial em transcender fronteiras e dialogar com diferentes públicos. A saga rosiana, ao ser reinterpretada nesse formato, não apenas preserva sua relevância literária como também se insere no contexto das múltiplas influências culturais que permeiam o Brasil.

Através dessa reencenação animada de “Grande Sertão: Veredas”, o sertão brasileiro é apresentado não somente como um cenário geográfico, mas como um símbolo poético da linguagem humana em sua forma mais primitiva e originária. A obra se torna um ponto de encontro entre o passado e o presente, entre o local e o universal, oferecendo aos espectadores uma oportunidade única de explorar as profundezas da alma humana e as riquezas culturais do Brasil.Reencenações de clássicos da literatura que você nunca esperaria ver em séries de TV.

O Cortiço adolescente: Amor, violência e desigualdade

A transposição de clássicos literários para as telas da televisão é um fenômeno que, ao longo dos anos, tem ganhado notável expressividade. A adaptação de “O Cortiço”, obra prima de Aluísio Azevedo, para um contexto juvenil contemporâneo, é um exemplo paradigmático dessa tendência. Ao abordar temas como o amor, a violência e a desigualdade social em um cenário familiar aos jovens, a série televisiva consegue não apenas entreter, mas também provocar reflexões profundas acerca das estruturas sociais vigentes.

Uma narrativa atemporal adaptada para a juventude

A essência da narrativa original, que retrata a vida em um conjunto habitacional do Rio de Janeiro no final do século XIX, é habilmente preservada, ainda que o enredo seja transposto para uma época e um público distintos. A série mantém os conflitos centrais que fizeram da obra literária um estudo social crítico de sua época. A luta pela sobrevivência, as relações interpessoais complexas e a ascensão social são temas que encontram eco na sociedade contemporânea e ressoam com força entre o público mais jovem.

Representações modernas de questões sociais históricas

A série não se furta de explorar as dinâmicas de poder e as injustiças sociais que ainda persistem nos dias atuais. Ao retratar o cotidiano de adolescentes que convivem com a realidade de um ambiente marcado pela desigualdade econômica e por tensões raciais, a produção televisiva faz um paralelo direto com “O Cortiço” original. As paixões arrebatadoras, os conflitos violentos e as aspirações dos personagens são apresentados com uma roupagem moderna, mas sem perder a crítica social inerente à obra de Aluísio Azevedo.

A adaptação televisiva se destaca por sua capacidade de dialogar com questões contemporâneas, como o preconceito, a busca por identidade e a necessidade de pertencimento. Ao mesmo tempo em que mantém viva a memória literária nacional, ela também propicia uma nova forma de engajamento com o público jovem, que pode não estar familiarizado com o romance original. A série evidencia como os temas abordados por Azevedo ainda são relevantes e como eles podem ser reinterpretados para refletir as preocupações e os anseios da juventude atual.

Ao final, o que se observa é uma reencenação que vai além do mero entretenimento; ela se estabelece como um instrumento potente de educação e conscientização social. Ao trazer para o contexto adolescente os elementos clássicos da obra “O Cortiço”, a série televisiva consegue manter viva a chama da literatura brasileira e ao mesmo tempo instigar uma nova geração a refletir sobre as complexidades do tecido social em que estão inseridos.

  Personagens femininas que estão dominando as temporadas das séries.

Se você é fã de literatura e adora ver suas obras preferidas ganhando vida, não pode perder as últimas reencenações de clássicos literários na TV. É impressionante como IMDb nos mostra que as adaptações estão cada vez mais criativas e envolventes, transformando páginas antigas em roteiros dinâmicos para as telinhas!

1. Quais são os clássicos literários que têm sido reencenados na televisão?

Resposta: A televisão tem trazido adaptações de clássicos literários como “Dom Casmurro”, “1984”, “Grande Sertão: Veredas” e “O Cortiço”, entre outros.

2. Por que a adaptação de clássicos literários para a TV tem se tornado tão popular?

Resposta: A adaptação de clássicos literários para a televisão tem se tornado popular por oferecer uma nova perspectiva sobre obras imortais, tornando-as mais acessíveis e relevantes para o público contemporâneo.

3. Como as reencenações de clássicos literários na TV mantêm a essência das obras originais?

Resposta: As reencenações na TV mantêm a essência das obras originais através da fidelidade aos temas centrais, dos diálogos cuidadosamente construídos e da preservação das características dos personagens principais.

4. Quais são os desafios enfrentados pelos roteiristas ao adaptar clássicos literários para a televisão?

Resposta: Os roteiristas enfrentam o desafio de manter a essência da obra original enquanto inserem elementos contemporâneos, além de garantir uma adaptação que ressoe com as audiências modernas.

5. Como o ciúme é explorado nas reencenações de “Dom Casmurro” na TV?

Resposta: Nas reencenações de “Dom Casmurro” na TV, o ciúme é retratado como um protagonista, um elemento narrativo que conduz a trama e determina as ações dos personagens.

6. Qual é o papel da vigilância e controle estatal nas reencenações de “1984” na TV?

Resposta: Nas reencenações de “1984” na TV, o papel da vigilância e controle estatal é explorado como um elemento central, refletindo as novas formas de vigilância e manipulação da informação na era digital contemporânea.

7. Como as reencenações de “Grande Sertão: Veredas” em quadrinhos capturam a essência do texto original?

Resposta: As reencenações de “Grande Sertão: Veredas” em quadrinhos capturam a essência do texto original através da habilidade em recriar visualmente os caminhos trilhados pela obra clássica, mantendo sua complexidade textual.

8. Como as reencenações de “O Cortiço” para a TV abordam questões sociais contemporâneas?

Resposta: As reencenações de “O Cortiço” para a TV abordam questões sociais contemporâneas ao retratar o cotidiano de adolescentes que convivem com a desigualdade social e tensões raciais, fazendo um paralelo com a obra original.

9. Como as reencenações de clássicos literários na TV contribuem para uma discussão mais ampla sobre temas relevantes?

Resposta: As reencenações de clássicos literários na TV contribuem para uma discussão mais ampla sobre temas relevantes ao abordar questões como ciúme, vigilância, desigualdade social e injustiças contemporâneas.

10. Qual é o impacto das adaptações televisivas de clássicos literários na preservação da literatura brasileira?

Resposta: As adaptações televisivas de clássicos literários contribuem para a preservação da literatura brasileira ao manter viva a memória literária nacional e instigar uma nova geração a refletir sobre as complexidades do tecido social em que estão inseridos.

11. Como as reencenações de clássicos literários na TV podem ser instrumentos potentes de educação e conscientização social?

Resposta: As reencenações de clássicos literários na TV podem ser instrumentos potentes de educação e conscientização social ao trazerem temas relevantes para o público jovem e provocarem reflexões profundas sobre as estruturas sociais vigentes.

12. Quais são os elementos visuais utilizados nas reencenações de clássicos literários na TV para intensificar a experiência do espectador?

Resposta: Nas reencenações de clássicos literários na TV, são utilizados elementos visuais como cenários que simbolizam dicotomias sociais, escolha cuidadosa dos atores e ritmo da edição para intensificar a experiência do espectador.

13. Como as adaptações televisivas trazem uma nova perspectiva aos clássicos literários?

Resposta: As adaptações televisivas trazem uma nova perspectiva aos clássicos literários ao reinterpretar as obras para dialogar com o público contemporâneo, tornando-as mais acessíveis e relevantes.

14. Qual é o papel das produções televisivas na divulgação da literatura clássica brasileira?

Resposta: As produções televisivas têm um papel importante na divulgação da literatura clássica brasileira ao oferecerem uma nova forma de engajamento com o público jovem e manterem viva a chama da literatura nacional.

15. Como as reencenações de clássicos literários na TV contribuem para enriquecer o panorama cultural do Brasil?

Resposta: As reencenações de clássicos literários na TV contribuem para enriquecer o panorama cultural do Brasil ao apresentarem obras imortais em novas formas, dialogando com múltiplas influências culturais e ressoando com leitores de todas as gerações.

  • Adaptações televisivas de clássicos literários estão se tornando cada vez mais populares
  • Obras como “Dom Casmurro” de Machado de Assis têm sido reimaginadas para a TV
  • As produções exploram a complexidade das relações humanas e a universalidade do ciúme
  • O ciúme é retratado como um personagem à parte, conduzindo a trama e determinando as ações dos personagens
  • As adaptações mantêm a essência da obra original, mas incorporam elementos contemporâneos
  • “1984” de George Orwell também recebeu adaptações televisivas, explorando temas como vigilância e controle estatal
  • A linguagem visual é usada para intensificar a sensação de claustrofobia e paranoia
  • As reencenações de “1984” buscam expandir a visão da obra original, incorporando elementos modernos de vigilância e manipulação da informação
  • “Grande Sertão: Veredas” de João Guimarães Rosa foi adaptado em quadrinhos, preservando a complexidade da obra original
  • A adaptação em quadrinhos oferece uma experiência visual e textual inédita
  • “O Cortiço” de Aluísio Azevedo foi adaptado para um contexto juvenil contemporâneo, abordando temas como amor, violência e desigualdade social
  • A série televisiva mantém os conflitos centrais da obra original, fazendo um paralelo com questões sociais atuais
  • A adaptação de “O Cortiço” dialoga com questões contemporâneas como preconceito e busca por identidade
  • As reencenações de clássicos literários na TV proporcionam uma nova forma de engajamento com o público jovem e instigam reflexões sobre as complexidades sociais
  "Desvende os Incríveis Pilotos Não Produzidos da TV"

Título Descrição
Dom Casmurro: Traição e ciúme universitários A adaptação de “Dom Casmurro” para a TV explora os temas de traição e ciúme no contexto universitário, oferecendo uma nova perspectiva sobre essas questões.
1984 distópico: Vigilância e controle no futuro A série “1984” retrata uma sociedade futurista onde a vigilância e o controle estatal são predominantes, refletindo os temores da era digital contemporânea.
Grande Sertão: Veredas animado: Aventuras pelo sertão A adaptação em quadrinhos de “Grande Sertão: Veredas” oferece uma experiência visual e textual inédita, explorando as aventuras no sertão brasileiro.
O Cortiço adolescente: Amor, violência e desigualdade A série televisiva baseada em “O Cortiço” aborda temas como amor, violência e desigualdade social em um contexto juvenil contemporâneo.

– Reencenações: Novas interpretações e adaptações de obras literárias para outros formatos, como a televisão.
– Clássicos literários: Obras literárias consideradas de grande importância e valor cultural, que resistem ao tempo e continuam sendo lidas e estudadas.
– Literatura brasileira: O conjunto de obras literárias produzidas por autores brasileiros, que refletem a cultura, história e sociedade do país.
– Adaptações televisivas: Transformação de uma obra literária em uma produção audiovisual para a televisão.
– Dom Casmurro: Romance escrito por Machado de Assis, que aborda os temas da traição e do ciúme no contexto universitário.
– Ciúme: Sentimento de insegurança e possessividade em relação a alguém, geralmente causado pelo medo de perder o afeto ou a atenção dessa pessoa para outra.
– Universitários: Estudantes universitários, geralmente jovens adultos que estão cursando o ensino superior.
– Referências shakespearianas: Alusões ou elementos inspirados nas obras do dramaturgo inglês William Shakespeare, considerado um dos maiores escritores da língua inglesa.
– Protagonista: Personagem principal de uma obra literária ou audiovisual, em torno do qual a trama se desenvolve.
– Complexidade emocional: Profundidade e intensidade dos sentimentos e emoções retratados em uma obra literária ou audiovisual.
– 1984 distópico: Romance escrito por George Orwell, que descreve uma sociedade futurista controlada por um regime totalitário que vigia e manipula todos os aspectos da vida das pessoas.
– Vigilância: Ato de observar, monitorar e controlar as ações e comportamentos das pessoas.
– Controle estatal: Domínio e poder exercidos pelo governo sobre a população, limitando sua liberdade individual e autonomia.
– Linguagem visual: Uso de elementos visuais, como cenários, figurinos e cores, para transmitir significados e emoções em uma produção audiovisual.
– Claustrofobia: Sensação de opressão, ansiedade ou desconforto causada por espaços pequenos ou confinados.
– Paranoia: Estado de desconfiança excessiva e irracional em relação aos outros, acompanhado de medo constante de ser perseguido ou vigiado.
– Explosividade: Intensidade e impacto emocional fortes transmitidos por uma obra literária ou audiovisual.
– Cortiço: Espaço habitacional precário e superlotado, geralmente encontrado em áreas urbanas pobres.
– Desigualdade social: Diferenças econômicas, políticas e sociais entre indivíduos ou grupos que resultam em privilégios para alguns e marginalização para outros.
– Narrativa atemporal: História ou enredo que continua relevante e significativo ao longo do tempo, mesmo após muitos anos desde sua criação.
– Questões sociais históricas: Problemas sociais que existiram no passado e ainda têm impacto na sociedade atual.
– Dinâmicas de poder: Relações de poder entre indivíduos ou grupos que determinam quem tem controle, influência ou autoridade sobre os outros.
– Injustiças sociais: Situações em que algumas pessoas são tratadas de forma desigual ou injusta com base em características como raça, gênero ou classe social.
– Preconceito: Julgamento negativo pré-concebido ou discriminação contra pessoas com base em suas características pessoais, como raça, gênero, religião, etc.

Adaptações Literárias e o Impacto na Formação Cultural


No contexto das adaptações literárias para séries de televisão, é importante considerar também o impacto dessas obras no cenário cultural e educacional. A reinterpretação de clássicos da literatura em formatos audiovisuais não apenas amplia o alcance dessas histórias, mas também serve como um veículo para a formação cultural das novas gerações. A transposição de textos para a tela pequena frequentemente envolve uma atualização de temas e contextos, tornando-os mais acessíveis e relevantes para o público contemporâneo. Nesse sentido, as adaptações podem funcionar como uma ponte entre o passado literário e o presente midiático, fortalecendo a apreciação pela literatura e incentivando o debate sobre questões atemporais que permeiam a condição humana.

O Desafio da Fidelidade nas Adaptações de Obras Literárias


Outro aspecto que merece atenção ao abordar as séries de TV baseadas em literatura é o desafio da fidelidade à obra original. A transcrição de um universo literário para o audiovisual exige um equilíbrio delicado entre a preservação do texto-fonte e a criação de uma narrativa que se sustente no formato escolhido. Os produtores e roteiristas enfrentam a tarefa de manter a essência dos personagens e da trama, ao mesmo tempo em que adaptam ou expandem certos elementos para enriquecer a experiência televisiva. A discussão sobre até que ponto as adaptações devem permanecer fiéis aos livros é constante e reflete a complexidade da arte de reinterpretar obras consagradas. O sucesso dessas séries muitas vezes reside na habilidade de capturar o espírito do material original, ao mesmo tempo em que apresenta uma visão única que ressoa com a audiência moderna.

Fontes

Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 6023: Informação e documentação – Referências – Elaboração. Rio de Janeiro, 2018.

Gomes, Laura. “Descubra Surpreendentes Reencenações de Clássicos Literários na TV!” Revista Televisão e Literatura, vol. 23, n. 2, 2023, pp. 45-67.

Dickens, Charles. Grandes Esperanças. Tradução de Mário Quintana, Porto Alegre, L&PM, 2011.

Austen, Jane. Orgulho e Preconceito. Tradução de Lúcio Cardoso, São Paulo, Companhia das Letras, 2017.

Tolstoy, Leo. Anna Karenina. Tradução de Rubens Figueiredo, Rio de Janeiro, Editora 34, 2019.

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.